14 de novembro de 2011

teritorio quilombolas Orocó


 ESTAS SÃO ALGUMAS FOTOS DAS OFICINAS ACONTECIDAS NO MÊS DE AGOSTO DESTE ANO, NO TERRITORIO QUILOMBOLA DE OROCÓ COM O TEMA "NAÇÃO CULTURAL" PELA FUNDARPE(FUNDAÇÃO HISTORICA E CULTURAL DO PERNAMBUCO E OUTRAS ORGANIZAÇÕES ONDE FOI UMA SEMANA , COM OFICINAS DE CONFECCIONAR PIFANO E TOCAR , E OFICINA DE DANÇA NEGRA.
NA OFICINA DE PIFANO O INSTRUTOR ERA O SENHOR ZÉ DO PIFANO ASSIM CONHECIDO, E DA OFICINA DE DANÇA ERA ALEX AMBOS DE RECIFE.
 
 FOTOS RETIRADA PELA EQUIPE DE VIDEO LOCAL; RIBEIRINHOS VIDEOS.
 

 ARTICULADORA DE JUVENTUDE  LOCAL PELA KOINONIA;INGRIDE ALVES















1 de novembro de 2011

Conferências Territorial e Estadual de Políticas Públicas de Juventude no Estado de Alagoas.


I CONFERÊNCIA TERRITORIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE JUVENTUDE DO TERRITÓRIO DA BACIA LEITEIRA DE ALAGOAS



Data de realização: 13 de setembro de 2011

Estado: Alagoas Município: Olho D’Água das Flores

Local: Clube Social de Olho D’Água das Flores,

Número de pessoas participantes: 95

Número de organizações participantes: 14

Dados dos responsáveis pelo preenchimento deste relatório:


Nome completo: Edivânia Vieira da Silva; Oscar Alan Gomes dos Santos; Quitéria Gonçalves Silva

Organização: Núcleo de Desenvolvimento Comunitário – NUDEC; Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Pão de Açúcar e Cooperativa de Crédito do Sertão de Alagoas – COCREAL respectivamente.

E-mail’s: edvaniavieira07@yahoo.com.br; Oscar.allan@hotmail.com; quiteriags@hotmail.com.

Telefones (com DDD): Edivânia (82) 9632-4226 Oscar Alan (82) 9950 – 42626 Quitéria (82) 9926 -1227.



Composição da Comissão Organizadora

Oscar Allan Gomes dos Santos STTR – Pão de Açúcar

Edivania Vieira Gomes Câmara temática da juventude Bacia Leiteira / NUDEC

Quitéria Gonçalves Silva COCREAL / REJU

Keliane Maria dos Santos Assistência Social de Monteirópolis

Kaline Nogeuira Santos STTR – Olho D’Água das Flores

Diego Correia Prefeitura Municipal de Pão de Açúcar

Claudilene Correia dos Santos STTR – Major Izidoro

Luciano dos Santos Andrade STTR – Palestina

Fabiana Costa Nunes da Silva STTR – Jacaré dos Homens

Milena Gomes de Melo STTR – Jacaré dos Homens

Suzana Maria da Silva Assistência Social de Monteirópolis

Breve resumo do debate de contextualização


A I Conferencia Territorial de Políticas Públicas de Juventude da Bacia Leiteira teve como tema: ”Juventude, Desenvolvimento e Efetivação de Direitos” e como lema: “Conquistar Direitos, Desenvolver o Brasil” com o objetivo de organizar os jovens para discutir as políticas públicas direcionadas à juventude e elaborar novas propostas, pois é um espaço para efetivação de direitos, como também eleger os jovens que representarão a região da Bacia Leiteira na 2ª Conferência Estadual, foi realizada pelo Colegiado Territorial da Bacia Leiteira, através da Câmara Temática de Juventudes, em parceria com a sociedade civil organizada. Teve início as 08h00min horas com o lanche e em seguida o credenciamento. Ás 09h00minh foi feita a composição da mesa, a qual foi composta por: Valdivan Raimundo dos Santos - Consultor estadual do Ministério de Desenvolvimento Agrário – MDA - AL, Oscar Alan Gomes dos Santos – Coordenação do colegiado territorial da bacia leiteira, Ana Cristina - Assessora da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura do Estado de Alagoas FETAG - AL, Aluízio Dantas - Presidente da Associação comunitária de Palestina, Idevilson Alves da Paz - Presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Olho d'Água das Flores e da FETAG - AL, Adriano Santos - Instituto de Assessoria para o Desenvolvimento Humano - IADH, Edivânia Vieira da Silva – Mobilizadora do projeto de Educação Contextualizada e Protagonismo Juvenil do Colegiado Territorial da Bacia Leiteira de Alagoas, Luciglei dos Anjos Rodrigues - representante da Secretaria Municipal de Educação de Pão de Açúcar e Silvan Roberto – Secretário Municipal de Agricultura de Olho d'Água das Flores e coordenação do Colegiado Territorial da Bacia Leiteira e Representante da Prefeitura Municipal de Olho D’Água das Flores. Logo após o jovem Oscar Alan Gomes dos Santos recitou o seu cordel, feito numa formação com jovens do Território da Bacia Leiteira “Juventudes no Comitê, Socializando o Saber”. Passando para as falas dos representantes da mesa, foi enfatizada a importância do evento onde os jovens neste dia serão ouvidos e terão a oportunidade de propor, avaliar e elaborar propostas de políticas públicas de/para/com a juventude, ressaltaram também a importância de apoiar as ações de Juventude no Território da Bacia Leiteira de Alagoas, tendo em vista, que são capazes de mudar o mundo.

Seguindo a programação foi feita a leitura do regimento Interno da I Conferência Territorial de Políticas Públicas de Juventude da Bacia Leiteira de Alagoas realizada pelo Sr. Anderson Pereira Souza, depois de lido, não havendo nenhuma observação da plenária, foi aprovado por unanimidade.

Em seguida teve a apresentação com slides das experiências desenvolvidas pelos jovens representantes das organizações que compõem o Território da Bacia Leiteira.

Dando sequência com a palestra da Psicopedagoga e Assessora da FETAG – AL, Ana Cristina com ênfase no texto base da II conferência Nacional de Políticas Públicas de Juventude, fazendo uma reflexão/provocação entre as diferenças das ações “lutas” dos movimentos juvenis de ontem e hoje e complementou falando dos objetivos das conferências. Com a conclusão da palestra foi aberto o debate para a plenária, onde os jovens colocaram seus questionamentos: Quais os espaços de participação social para os jovens? Quais projetos municipais, Estaduais ou Federal existentes para os jovens, (além do PROJOVEM)? Quais as condições oferecidas para os jovens participarem dos espaços de debate e decisões das políticas públicas?

A plenária geral foi dividida em três grupos para debater sobre as políticas específicas para a juventude existente e elaborar novas propostas, a partir dos subtemas distribuídos para os grupos: subtema I: Juventude: Democracia, Participação e Desenvolvimento Nacional; subtema II: Plano Nacional de Juventude: Prioridades 2011 a 2015; subtema III: Articulação e Integração das Políticas Públicas de Juventude.

Paramos para o almoço, ao retornar cada participante dirigiu-se ao seu grupo para debater e elaborar as propostas a serem socializadas e aprovadas na plenária. Retornando a plenária tivemos as falas de Fabiana Fontes – Consultora Territorial, que fez sua explanação sobre o contexto do colegiado territorial e questionou sobre o que a juventude quer? E da Superintendente de Políticas Públicas de Juventude de Alagoas, Ana Maria da Silva reforçando sobre a importância das conferências para a efetivação e criação de políticas públicas de juventude, falou também sobre o extermínio das juventudes, do futuro da juventude e da valorização do que é nosso.


Propostas do Grupo I: Juventude: Democracia, Participação e Desenvolvimento.

• Criar a Secretaria e o Conselho de juventudes nos Municípios integrantes do Território da Bacia Leiteira de Alagoas;

• Promover cursos profissionalizantes para geração de emprego e renda, visando fortalecer o desenvolvimento econômico solidário e sustentável;

• Garantir e fortalecer projetos para resgatar elementos culturais juntos com os projovens e a sociedade civil organizada;

• Melhoria nos transportes escolares das zonas rurais;

• Garantir assistência técnica para criação de cooperativas de produção, organização e comercialização para juventude;

• Inclusão digital e suporte técnico em todas as zonas rurais dos municípios do Território da Bacia Leiteira.


Propostas do Grupo II: Plano Nacional de Juventudes: Prioridades 2011-2015

• Aprovação e execução imediata do plano nacional e do estatuto de juventudes;

• Fortalecer as políticas existentes através de políticas estruturantes; criação do ministério da juventude, secretarias estaduais e municipais de juventude, através de lei;

• Criar programas e projetos culturais e econômicos com tempo livre para a juventude do campo;

• Política de geração de renda e credito para jovens urbanos e rurais e empreendimentos solidários;

• Capacitação em gestão e execução de projetos para as juventudes;

• Fortalecer o programa de sucessão rural;

• Realização de seminários temáticos, oficinas, intercâmbios e cursos de qualificação para formação de jovens;

• Garantir a ampliação de segurança no território;

• Ampliação da rede de ensino nos territórios: educação básica, cursos profissionalizantes, cursos de graduação e priorizar os IFET’s;

• Regulamentação do ensino privado;

• Políticas de combate as drogas;

• Descentralizar o acesso a universidade e escolas técnicas garantindo a participação de toda juventude;

• Inserir nas escolas de 2º grau a metodologia de educação contextualizada como política pública, não como projetos;

• Fiscalização nos programas (PROJOVEM) desenvolvidos nos municípios e formação qualificada e permanente para os educadores/as;

• Garantir apoio as organizações e entidades da sociedade civil organizada nas suas ações de/com/para juventudes.


Propostas do Grupo III: Articulação e Integração das políticas públicas da juventude

• Implantação e ampliação dos projovens para as zonas rurais;

• Implementação dos transportes públicos de qualidade nas redes de ensino;

• Promover o resgate da cultura local;

• Municípios aderirem à educação contextualizada como política pública, inserindo no seu plano ou sistema municipal educacional;

• Melhorar a educação buscando qualificar e fiscalizar os profissionais na rede de ensino;

• Ampliação de cursos técnicos nas zonas rurais para o jovem poder manter-se nas atividades agrícolas;

• Atendimentos de qualidade na saúde pública e implementação postos de saúde nas comunidades rurais;

• Articular os jovens agricultores se inserirem nas políticas públicas: Programa de Aquisição de Alimentos – PAA; Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE; Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar – PRONAF;


2. Breve avaliação da Conferência

O evento foi avaliado como positivo, do qual saíram boas propostas, foi visto também como positivo, a parceria entre poder público e sociedade civil organizada, foi colocado o desejo de ver sendo realizado todos os encaminhamentos proposto, esperando que a partir da conferencia, a juventude do Território da Bacia Leiteira possam ser vista com um olhar diferenciado, recebendo toda a atenção que merece para poder assim pensar em uma vida com qualidade, respeito, direitos e dignidade.



Delegados Eleitos para a Etapa Estadual


Município Nome Documento Telefone E-mail

Pão de Açúcar Edivânia vieira da silva RG:2000004089990SSP/AL

CPF: 045.398.624-21


Olho D’Água das Flores Kaline Nogueira Santos CPF:098.335.184-86

RG:3424185-0 9914-5540 Kalynhe.fofo@hotmail.com


Olho D’Água das Flores Gilvania Gomes Silva Barbosa CPF:091.852.284.60

RG :3411799-7 9165-4745


Olho D’Água das Flores Alexandre Silva da Costa

CPF: 090.760.540-58 9633-5571


Olho D’Água das Flores Aldimária Fernandes de Melo CPF: 112.899.548-08

RG: 3618095-5 9938-3228


Palestina Luciano dos Santos Andrade CPF: 734.071.038-10

RG: 2.100.340SSP-AL 9950-1667

96073020 Lucianoandrade@hotmail.com


Palestina Edes Alves Nogueira CPF: 073.712.564-09

RG: 3124932-9 9941-1871


Jacaré dos Homens Anderson César Faria de Melo CPF: 113.414.874-74

anderson.cesar13@hotmail.com


Jacaré dos Homens Fabiana Costa Nunes da Silva CPF: 079.297.474-33

RG: 3365567


Monteirópolis Geilância Alves de Aquino CPF: 068.980.604-30

RG: 30826446 9959-0133 lania1296@hotmail.com


Monteirópolis Maristela Alves Medeiros 9604-3423


Batalha Vandeilson Pereira CPF: 110.464.774-55

RG: 338533-5


Batalha Ivan dos Santos CPF: 079.306.374-23

RG: 3152576-8



Batalha Érika Micherlane dos Santos da Silva CPF: 106.260.054-18

RG: 35500972



Jaramataia Edjane Barbosa da Ressurreição CPF: 161.233.208-07

RG: 1444433



Jaramataia Silvana da Silva Lisboa CPF: 049.554.814-37

RG: 1984800



Major Izidoro Anderson Marcelino dos Santos CPF: 111.327.704-16

9631-8130 strmajor@ig.com.br


Major Izidoro Maria Aparecida Pereira da Cunha CPF: 066.910.574-06

9602-0467 strmajor@ig.com.br


Major Izidoro Rafaela Teodoro da Silva CPF: 097.225.424-27 9658-1282 strmajor@ig.com.br


Carneiros José Carlos Nunes dos Santos

CPF: 080.099.834-03

RG: 32120125 8892-6070 carlosnunes091@hotmail.com



A conferência Estadual Aconteceu nos dias 30/9 e 01/10 em Maceió - Alagoas.

teve aproximadamente 600 delegados, os debates se deram nas diretrizes oriantadas pelo texto base da 2ª conferência Nacional de Juventude e foram divididos por salas de debates de acordo com os temas por exento Educação, Saúde, Gênero entre outros...

ao final foram eleitas trinta propostas que a juventude de alagoas identificou como prioritárias na plenária final.

em seguida foram eleitos 25 delegados para a etapa nacional, onde destes 25 aproximadamente 20 jovens são do interior do estado e aproximadamente 15 jovens são rurais e ligados a organizações sociais do campo como Sindicato de Trabalhadores Rurais, ONG's, associações, Cooperativas e Redes de Jovens.





Anexos da Conferência Territorial




27 de outubro de 2011

territorio quilombolas Orocó pernambuco.

Em Orocó Pernambuco esta sendo reconhecida cinco comunidades como areas quilombolas, onde habita mais de 500 familias, e através da comunidade quilombola de Salgueiro-PE conhecida como Conceição das Criolas a qual ajudou no entendimento desta identidade na região de Orocó e principalmente nas comunidades.Apos varios requicitos e documentações foi declarada sim como aréa quilombolas onde as comunidades ganharam o nome como ÀGUAS DO VELHO CHICO,onde todas são situadas nas margens ribeirinhas, e pelo contato direto de trabalho e lazer com o rio, a Comissao das comunidades quilombolas assim formada por membros de diferentes comunidades decidiram chamar o territorio quilombola por este nome.
Esteve acontecendo este dia27/10/11 uma discursão, com o poder municipal para a decisão do nome da escola modelo na qual foi contemplada o terretorio nisto a comissão veio com o nome como escola quilombola àguas do Velho Chico. sendo o mesmo do territorio, foi votado e aceito pela maioria da camara municipal..
Comunidades estas que estão sendo ameaçadas por uma trasporsição onde todo o territorio será inudado pela tranposiçao do eixo leste, e pela barragem de Riacho Seco-Bahia, nesta luta , o MAB movimento dos atingidos por barragens, vem junto ao territorio unindo forças com o povo todo e a juventude local não fica de fora ,pois muitos já participaram do curso Agentes Culturais Jovens Rurais, e nisto perceberam a valorizar o local em que vivem e assim abraçam a causa e não decistem.Hoje  os jovens participam de diferentes movimentos, cultural, religioso e social.onde tem uma equipe de audio/visual formada com menbros do territorio.

informação do territorio de itaparica submedio do são Francisco

Atualmente esta acontecendo em Paulo Afonso-Bahia mas um trabalho com a juventude , atraves da koinonia e a ong Repensar,situada na cidade, aconteceu a primeira etapa do curso Agentes culturais Jovens Rurais/urbanos onde esteve presente cinquenta jovens.curso realizado nos dias 08 e 09 de Outubro onde os jovens são envolvidos  em varios grupos culturais. como o pagode, capoeira e rap.Nisto foi decidido a segunda etapa para os dias 12/13 de Novembro e eles levaram uma tarefa para casa , montar o diagnostico da situaçao local ate a data.

No territorio de chorrochó-bahia ,acontecerá a segunda etapa do mesmo curso nos dias12/13 de Novenbro, com o apoio de koinonia e polo sindical dos trabalhadores rurais de Petrolandia.

28 de setembro de 2011

Saudades de Sorriso leva Tenório a escrever no Balanço dos Coqueiros

NO BALANÇO DOS COQUEIROS

 Venho a Rodelas
Como quem vai ao paraíso
Lembrando de SORRISO
Sinto a presença dela
A saudade me revela
A sua fisionomia
Sua cara era a alegria
E a força do sindicato
Hoje os projetos são de fato
Frutos plantados por ela
   
O Centro parece uma capela
Com o nome da companheira
EDILENE RODRIGUES PEREIRA
Para nós será eterna
Na lembrança fraterna
Dos seus companheiros
E no balanço dos coqueiros
Que mudaram a paisagem
E transformaram a imagem
Da cidade de Rodelas

Tenório (Tenorinho)

27 de setembro de 2011

Resultados da 1a. etapa de organização da 2ª Conferência Nacional de Juventude


23.09.2011 - Etapas municipais da 2ª Conferencia Nacional de Juventude foram um sucesso

A primeira fase do processo de mobilização da 2ª Conferência Nacional de Juventude terminou no último dia 18 de setembro e foi considerada um sucesso.
23.09.2011 - Etapas municipais da 2ª Conferencia Nacional de Juventude foram um sucesso
Mais de 1200 jovens aprovam 10 prioridades para a cidade na 1ª Conferência Carioca de Juventude

A primeira fase do processo de mobilização da 2ª Conferência Nacional de Juventude terminou no último dia 18 de setembro e foi considerada um sucesso. Mais de quinhentos municípios já realizaram suas Conferências e, com esta marca, já superamos, apenas na fase inicial das etapas eletivas de delegados, o total de 244 municípios envolvidos na 1ª edição da Conferência, em 2008. Destacam-se, nessa fase, as  Conferencias realizadas pelas cidades do Rio de Janeiro/RJ, que mobilizou mais de 1200 participantes; Aracaju/SE que, com centenas de Conferencias Livres, reuniu 900 pessoas na etapa municipal; Recife/PE, com mais de 800 participantes, e São Paulo/SP que, com mais de mil pessoas, discutiu o texto base local. Assim, encerra-se com grande vitória essa etapa e, a partir de agora, as 27 unidades da Federação se preparam para o início das etapas estaduais, que começam em 1º de outubro.
Segundo Ângela Guimarães, coordenadora-geral do processo, as centenas de Conferências, ocorridas em âmbito municipal, apontam para alguns caminhos. “Os debates têm sido permeados por temas tais como o crescimento econômico com sustentabilidade ambiental e distribuição de renda, de modo a gerar igualdade de oportunidades”. Outra questão bastante presente, diz ela, é a necessidade de qualificação profissional, geração de empregos, com garantia de trabalho decente para a juventude.  “Observamos no conjunto das Conferências realizadas, um clima de grande pactuação entre governos, parlamentos e sociedade civil pela consolidação e por mais avanços nessa temática. No bojo desse processo estamos vendo as PPJ’s se materializarem. Por meio de centenas de organismos, conselhos e fundos orçamentários estão sendo criados por prefeitos e legislativos locais”. Avalia Ângela Guimarães.
Do ponto de vista do fortalecimento da Política Nacional de Juventude, a criação de um Sistema Nacional e a aprovação do Plano e do Estatuto da Juventude, pelo Congresso Nacional, estão na ordem do dia. Para Ângela “É fundamental estabelecermos, no ordenamento jurídico brasileiro, quais são os direitos da Juventude e as garantias de pleno acesso a estes”.
A ousadia conseqüente da juventude certamente deixará frutos. A realização de Conferências em mais de 90 territórios rurais e a Conferencia Livre Virtual, que acontecem até novembro, estão possibilitando o acesso ao debate de milhares de participantes e parceiros dos avanços da Política Nacional de Juventude.
Que venham as etapas estaduais e a contribuição das Conferencias Livres, Territoriais e Virtual, bem como da Consulta Nacional aos Povos e Comunidades Tradicionais para alçarmos bem alto a bandeira da nossa juventude, com o objetivo de “Conquistar Direitos e Desenvolver o Brasil!". E como diria o grande poeta Renato Russo, “nós apenas começamos!,  conclui a coordenadora-geral da Conferencia.
http://conferencia.juventude.gov.br/noticias-outras/23-09-2011-etapas-municipais-da-2a-conferencia-nacional-de-juventude-foram-um-sucesso/
fonte:

13 de setembro de 2011

1ª Conferência Municipal de Políticas Públicas de Juventude de Pão de Açúcar

No dia 12 de Agosto de 2011, dia de sexta feira foi realizada a primeira Conferência Municipal de Políticas Públicas de Juventude de Pão de Açúcar


Data de realização: 12 de agosto de 2011
Estado: Alagoas           Município: Pão de Açúcar
Local: Auditório da Escola Maria Tavares Pinto,
Número de pessoas participantes: 112
Número de organizações participantes: 26

A I Conferencia Municipal de Pão de Açúcar teve como tema: ”Juventude, desenvolvimento e Efetivação de Direitos” e como lema: “Conquistar Direitos, Desenvolver o Brasil” foi realizada através da Secretaria de Assistência Social, em parceria com a sociedade civil organizada, e teve inicio as 09:00 horas com a formação da mesa, a qual foi composta pelo excelentíssimo prefeito Sr. Jasson da Silva Gonçalves, Oscar Allan Gomes dos Santos, representado a Sociedade Civil organizada, Edivania Vieira da Silva, representando a Câmara temática do território da bacia Leiteira, Maria Betânia Rodrigues, assistente Social do Município,Valeria Oliveira Rezende, secretária. O excelentíssimo Prefeito Sr. Jasson fez a abertura do evento falando da importância da luta dos jovens pela  implementação das políticas voltadas para a juventude, também falou da satisfação  em está realizando a primeira conferencia municipal da juventude, e por fim agradeceu a todos os participantes, desejando a todos um dia de trabalho produtivo e prazeroso. Dando sequência, a fala do representante da sociedade civil que destacou o trabalho das organizações da sociedade civil organizada que vem sendo realizado no município através do NUDEC, STTR, Câmara Tematica da Juventude do território da Bacia Leiteira, COCREAL e REJU/NE – Rede Ecumênica de Juventude (Nordeste), em seguida Maria Betânia Rodrigues (assistente Social do Municipio) fez a leitura do regimento interno, e pediu para que os participantes fizesse destaques, colocou para que fosse apresentados os destaques, não havendo nenhum destaque o regimento foi aprovado por unanimidade.
Teve a participação da Superintendência de Políticas Públicas para Juventude de Alagoas, na pessoa de Ana Maria da Silva reforçando a saída de propostas muito boas, primeiro para propor ao gestor do município, e em seguida levar para o estado e até Nacional, a juventude vai ter que se inserir nos espaços políticos para propor melhorias para juventudes, até mesmo por que do contrario não haverá perspectiva para a juventude no País. Falou da importância da criação do Conselho de juventude, nos municípios, e se dispôs a apoiar na implantação dos conselhos municipais de juventude, informou que  o governo do estado já aprovou o estatuto da juventude e o mesmo está em faze de divulgação.
Foi feito uma rápida apresentação das ações e experiências desenvolvidas pelos jovens do municípios de Pão de Açúcar, entre elas participação em oficinas diversas, atividades nos projovens, intercâmbios e outras atividades.
Dando sequência, o psicólogo Diomedes, palestrante iniciou sua palestra falando que: A conferência municipal da juventude é uma forma de interação e participação direta nas relações sociais, sendo também um meio de exploração e exposição dos sentimentos, reivindicações e lutas pelas quais os jovens do país acreditam e defendem.

Ò  Educação
            A escola, além de um centro de formação humana, cidadã e profissional, é um espaço privilegiado de socialização dos jovens, de desenvolvimento de suas aptidões e sonhos.
            Direito garantido pelo art. 205 da Constituição Federal, que dispõe:
Art. 205 – a educação, direito de todos e dever do Estado e da família... 
Ò  Trabalho
            A realidade mostra que ter acesso a um trabalho decente ainda é um desafio.
Ò  Cultura
            A produção cultural passou a ser vista de outra forma na última década. Os jovens sempre se associaram a experimentação no campo das artes e da cultura, agentes protagonistas de manifestações e linguagens artísticas renovadoras e transformadoras do panorama cultural.
Ò  Comunicação
            A juventude é sem dúvida quem mais se utiliza das novas formas de comunicação.
Ò  Cidade
            A cidade é um grande palco, o espetáculo são as histórias de vida daqueles que, com criatividade, superação e muita vontade, acham novos caminhos em meio ao concreto para transformar o seu próprio futuro e dos seus semelhantes.
Ò  Campo
            Em algumas situações, o espaço rural não apresenta atrativos ou condições para a permanência dos jovens, esse grupo, enfrenta um verdadeiro dilema para poder decidir se continuam com as atividades de produção no campo para sua sobrevivência ou migram para as cidades buscando novas oportunidades e novas formas de viver.
Ò  Transporte Público
            A Constituição garante que todos podem ir e vir, circular pelo território livremente.
Ò  Meio ambiente
            É de grande repercussão nos dias de hoje as relações entre as questões ambientais e questões sociais, sob a perspectiva da sustentabilidade.
Ò  Comunidades tradicionais
            Os representantes desses povos e comunidades tradicionais precisam ser valorizados, protegidos e convidados a trazer o seu conhecimento para o país.

Propostas do Grupo I: Juventude: Democracia, Participação e Desenvolvimento Nacional.

  • Criar uma secretária e o conselho da juventude do Município de pão de Açúcar;
  • Levar cursos profissionalizantes para as bases de acordo com a realidade visando fortalecer o desenvolvimento sustentável;
  • Garantir assistência técnica para cooperativas de produção, organização e comercialização dos produtos produzidos pela juventude;
  • Descentralizar o acesso a universidade e escolas técnicas garantindo a participação de toda juventude, e implementar as escolas de 2º grau, no e para o campo;
  • Apoiar projetos, organizações e entidades da sociedade civil organizada nas suas ações com a juventude.

Propostas do Grupo II: Plano Nacional de Juventudes: Prioridades 2011-2012
  • Aprovação e execução imediata do plano nacional da juventude;
  • Fortalecer as políticas existentes através de políticas estruturantes; criação do ministério da juventude; secretarias estaduais e municipais de juventude, através da lei;
  • Assegurar acesso à educação de qualidade para jovens de baixa renda;
  • Criar programas e projetos culturais e econômicos com tempo livre para a juventude do campo;
  • Programa de geração de renda e credito para jovens urbanos, nas cidades rurais;
  • Investir e incentivar a economia solidária;
  • Adotar as conferências como método de legitimação das necessidades juvenis;
  • Fortalecer o programa de sucessão rural;
  • Realização de seminários temáticos, oficinas, intercâmbios e cursos de qualificação para formação de jovens;
  • Regulamentação do ensino privado;
  • Políticas de combate as drogas;
  • Sistematização e divulgação das experiências das juventudes.

Propostas do Grupo III: Articulação e Integração das políticas públicas da juventude
  • Resgatar e construir o centro da juventude do município de Pão de Açúcar;
  • Criar a secretaria de políticas publicas para a juventude;
  • Promover o resgate da cultura local;
  • Incentivar a juventude a buscar seus direitos:
- Educação
- saúde
- lazer
- Cultura
- Políticas Partidárias

          - Meio Ambiente



31 de julho de 2011

Visite o site da PJR

A PJR abriu um novo Blog, o endereço é:
http://pastoraldajuventuderural-pjr.blogspot.com/

Visitem!

Contra o veneno na agricultura!

FÓRUM PEMANENTE CONTRA OS AGROTÓXICOS E PELA VIDA


MOÇÃO PELA VIDA E CONTRA OS AGROTÓXICOS


Na aurora das ciências e avanços teconlógicos, a humanidade ainda não inventou algo que substitua o alimento necessário ao bom funcionamento do organismo. Após o paleolítico, ocasião em que o Homo sapiens deixou de ser nômade e passou a ser agricultor (8000 a.C.), inúmeras transformações ocorreram em função do poder instituído na humanidade, afetando as águas, as terras, o fogo e os ares. Adotando um modelo desenfreado de desenvolvimento, numa visão imediatista de lucro da minoria, testemunhamos a exclusão social e as injustiças ambientais que assolam o mundo. Sob o falso discurso de ser celeiro da humanidade, grande parte dos alimentos produzidos pelo agronegócio mato-grossense serve para refeição às vacas holandesas.

O uso e o nível de agrotóxicos, como fruto deste manejo sem ética, compromete a qualidade dos alimentos para o consumo humano e animal, provoca poluição, corrobora com as mudanças ambientais negativas, provoca competições desonestas, aumenta cada vez mais o abismo entre ricos e pobres e até impede que agricultores da agroecologia mantenham sua produção sadia e certificada. A insustentabilidade da vida mato-grossense não é somente instituída pelo governo, como estimulada essencialmente pelo manejo agrícola mecanizado e baseado em agroquímicos.

Para a defesa da sustentabilidade instituinte e planetária, os participantes deste fórum permanente contra os agrotóxicos e pela vida, manifestam-se:


  • Pela defesa do código florestal como parte da sustentabilidade planetária, que não tenha meramente um interesse econômico, nem seu objeto e muito menos o final almejado;
  •  Por um zoneamento participativo, discutido e proposto no bojo do Grupo de Trabalho de Mobilização Social e que favoreça a agricultura familiar e a valorização do mapa social;
  •  Pelo repúdio aos megaprojetos de hidrelétricas como Belo Monte, além das inúmeras PCH que destroem a natureza e a cultura e, assim, também pela suspensão de qualquer obra que venha prejudicar a integridade ambiental e também dos povos do Pantanal, com a imediata retirada do projeto de hidrovia Paraguai-Paraná do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC);
  • Pela concordância da “Moção contra o uso dos agrotóxicos e pela vida” aprovada durante a realização do V Congresso Brasileiro de Ciências Sociais e Humanas em Saúde (São Paulo, USP, 20 de abril de 2011) em seus tópicos: Proibir a pulverização aérea de agrotóxicos, tendo em vista a grande e acelerada expansão desta forma de aplicação de venenos, especialmente em áreas de monocultivos; Suspender as isenções de ICMS, PIS/PASEP, COFINS e IPI concedidas aos agrotóxicos; e Elaborar e implementar um conjunto de Políticas Públicas que viabilizem a superação do sistema do agronegócio e a transição para o sistema da Agroecologia;
  • Pela defesa da autonomia das ciências éticas, que metodologicamente se inscrevem na soberania científica e essencialmente no compromisso político dos cientistas, seja na área da saúde, ecologia, educação, sociologia ou qualquer outra área do conhecimento e, portanto, repúdio a todo tipo de represália às pesquisas que evidenciem os danos causados pelos agroquímicos; (Pela valorização das pesquisas que evidenciem os danos causados pelos agroquímicos e proteção dos cientistas);
  • Pela criação de programas de pesquisa sobre os impactos dos agroquímicos na saúde, no meio ambiente e nos alimentos e consequente análise de resíduos nos produtos do agronegócio exportador, além do apoio às vítimas de contaminação;
  • Pela sensibilização dos conselheiros municipais de saúde, em especial o segmento dos usuários, quanto aos impactos na saúde e no meio ambiente, provocados pelo uso de agrotóxicos;
  • Pela defesa dos Direitos Humanos, em especial ao estudo e intervenção da Comissão Pastoral da Terra (CPT) sobre as ameaças de morte em MT e erradicação imediata do trabalho escravo e da violência instituída no campo;
  • Pela defesa das vidas dos povos e comunidades tradicionais e grupos sociais vulneráveis, como os povos indígenas, quilombolas, pescadores artesanais, artesãos, agricultores familiares, retireiros do Araguaia, seringueiros, trabalhadores do carvão e tantos outros grupos marginalizados pelo poder econômico;
  • Pela justiça socioambiental do campo e pela liberdade e autonomia dos sindicatos dos trabalhadores rurais na luta pela vida, e o nosso repúdio às ameaças de morte aos que combatem os agrotóxicos;
  • Pela responsabilização legal e penal daqueles que utilizam os agroquímicos, assumindo os riscos das externalidades advindas de seu uso no meio rural e urbano;
  • Pela proibição, no Brasil, da propaganda e uso de agrotóxicos já proibidos em outros países (especialmente na Europa) e sua equiparação à mesma condição de outras substâncias perigosas, com transporte e uso controlados; Por propagandas na mídia de massa que mostrem os males causados por agrotóxicos nas pesquisas feitas durante os últimos anos, que equiparam-nos às drogas tóxicas;
  • Pela defesa das zonas de amortecimento ao redor de vilas, cidades, terras indígenas e unidades de conservação em regiões agrícolas;
  • Pelo apoio efetivo e oficial aos agricultores familiares na conversão para modelos de agricultura de base ecológica;
  • Pela elaboração de políticas públicas (nos níveis municipal, estadual e federal) que viabilizem a agroecologia;
  • Pela defesa e valorização da agricultura familiar, considerando sua autonomia das sementes e técnicas tradicionais;
  • Pelo direito a um ambiente limpo, livre de agrotóxicos e transgênicos em que as populações com seus direitos velados tenham condições de justiça;
  •  Pela defesa ampla, irrestrita e permanente da biodiversidade e de todos os elementos que tecem uma humanidade ética, socialmente inclusiva e ecologicamente protegida.


PELA DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS E DA TERRA!

Aprovada pela plenária final do Fórum Permanente contra o agrotóxico e pela vida, em 03 de junho de 2011, na ADUFMAT-UFMT, município de Cuiabá, MT.

Escola no Campo

Fechamento de escolas no campo: olho neles

"Fechamento de escolas do campo é retrocesso", afirma dirigente do MST
28 de junho de 2011

Criança na Escola Oziel Pereira e Roça Gouveia, no
assentamento 17 de abril, em Eldorado dos Carajás, no Pará

Por Luiz Felipe Albuquerque
Da Página do MST

Mais de 24 mil escolas no campo brasileiro foram fechadas no meio rural desde 2002. O fechamento dessas escolas demonstra o drástico problema na vida educacional no Brasil, especialmente no meio rural.
Após décadas de lutas por conquistas no âmbito educacional, cujas reivindicações foram atendidas em parte - o que permitiu a consolidação da pauta – o fechamento das escolas vão no sentido contrário do que parecia cristalizado.
Nesse quadro, o MST lançou a Campanha Nacional contra o Fechamento de Escolas do Campo, que pretende fazer o debate sobre a educação do campo com o conjunto da sociedade, articular diversos setores contra esses retrocessos e denunciar a continuidade dessa política.
“O fechamento das escolas no campo nos remete a olhar com profundidade que o que está em jogo é algo maior, relacionado às disputas de projetos de campo. Os governos têm demonstrado cada vez mais a clara opção pela agricultura de negócio – o agronegócio – que tem em sua lógica de funcionamento pensar num campo sem gente e, por conseguinte, um campo sem cultura e sem escola”, afirma Erivan Hilário, do Setor de Educação do MST.
De acordo com o Censo Escolar do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), do Ministério da Educação, existiam 107.432 escolas em 2002. Em 2009, o número de estabelecimentos de ensino reduziu para 83.036, significando o fechamento 24.396 estabelecimentos de ensino, sendo 22.179 escolas municipais.
Essas escolas foram fechadas por estados e municípios, mas o Ministério da Educação também tem responsabilidade. "Não se tem, por exemplo, critérios claros que determine o fechamento de escolas, que explicitem os motivos pelos quais se fecham, ou em que medida se pode ou não fechar uma escola no campo", aponta Erivan.
Ele apresenta um panorama do atual momento pelo qual passa a educação do campo, apontando desafios, lutas e propostas. (Ler mais em: http://www.mst.org.br/Fechamentos-de-escolas-do-campo-e-umretrocesso-afirma-erivan-hilario-mst)

5 de julho de 2011

Assassinato de trabalhador rural em Cachoeira do Ipa

Trabalhador rural acampado é assassinado em Cachoeira do IPA, sertão de Pernambuco

05/07/2011
O trabalhador rural acampado José Luiz da Silva foi assassinato neste último sábado, 2 de julho, às 8h da manhã, no acampamento da fazenda conhecida como Cachoeira do IPA, onde residia com sua família, localizado no município de Sertania, sertão pernambucano. O trabalhador era casado e pai de três filhos. A fazenda pertence ao Governo do Estado e é administrada pelo IPA, Instituto de Pesquisa Agropecuária. A área de 700 hectares é preservada pelas famílias acampadas, onde eles desenvolvem produção agroecológica e criam caprinos.

As famílias acampadas atribuem o crime a pessoas de fora do acampamento que, de forma ilegal, desmatam o local. A área também passou a ser utilizada de forma ilegal para a caça e pesca. Em assembleia as famílias decidiram dialogar com os depredadores com o objetivo de proibir a extração de madeira e a caça. O trabalhador José Luiz da Silva era um dos que mais fiscalizavam a área e denunciava os fatos.

O trabalhador já havia sofrido ameaças no dia 14 de junho, sendo registrada em Boletim de Ocorrência no dia 15 de junho na delegacia de Sertania. A ameaça se deu quando um homem não identificado apareceu na casa do acampado e, na ocasião, deixou avisado à vizinha de seu Luiz de que iria matar o trabalhador. Como forma de prevenção, seu Luiz além de fazer a queixa na delegacia, saiu do acampamento onde vivia, mas no dia 28 de junho, não acreditando na concretização da ameaça, voltou ao acampamento, e o assassinato acabou se concretizando, quando dois homens em uma moto dispararam contra Luiz, quando este estava na frente de sua casa. A família e os agricultores que vivem no acampamento registraram um boletim de ocorrência (BO) na delegacia de Sertania ainda no sábado à noite. Após o assassinato e o registro do B.O. na delegacia, a comunidade, formada por 13 famílias, vem sofrendo com a iminência de mais episódios de violência. A trabalhadora rural que testemunhou a ameaça de morte, já foi procurada em sua casa por homens desconhecidos em motos e em carros, durante o sábado e o domingo, dias 2 e 3.

As famílias que vivem no acampamento reivindicam, há mais de 10 anos, a regularização da área que pertence ao Governo do Estado. Várias reuniões foram realizadas com a presença do governo do Estado e do INCRA. O Incra já chegou a realizar um laudo técnico inicial, mas as negociações estão paralisadas há mais de três anos. Para Denis Venceslau, da CPT Pajeú, por causa da inoperância do governo do estado e do Incra em agilizar o processo, as famílias não podem exercer seu pleno direito de acesso a terra e estão vivendo em situação de violência iminente.

Fonte: EcoDebate

11 de maio de 2011

Como aplicar o questionário - vídeo 2

Toda dúvida deve ser perguntada por e-mail dirigido ao Jorge Atilio.

Sobre o questionário Pesquisa sobre juventudes, direitos e mudanças climáticas

Toda dúvida deve ser encaminhada para o e-mail do Jorge Atilio. Grato!

26 de abril de 2011

2ª Conferência Nacional da Juventude

Vamos nos organizar e fazer acontecer...

A 2ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE
AGENDA DAS CONFERÊNCIAS:

* Conferências Municipais e Regionais/Territoriais:
   01 de junho a 30 de agosto.
* Conferências Estaduais:
   01 de setembro a 31 de outubro.
* Conferências Livres (não elegem delegados/as, somente propostas): 
   01 de junho a 30 de setembro.
* Conferência Nacional:
   09 - 12 de dezembro de 2011 em Brasília.

10 de fevereiro de 2011

Camponeses denunciam fechamento de escola no sertão de Alagoas e pedem apoio

NOTA DE ESCLARECIMENTO SOBRE O FECHAMENTO DA ESCOLA MUNICIPAL DOM BOSCO E AS CONSTANTE TENTATIVA DE CRIMINALIZAÇÃO DA AMIGREAL

IGACI -AL, 08 de fevereiro de 2011.

Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado no seio da sua família e,excepcionalmente,em família substituta,assegurada a convivência familiar e comunitária,em ambiente livre da presença de pessoas dependentes de substâncias entorpecentes; Art.19. ECA

A AMIGREAL, vem por meio desta nota, esclarecer a sociedade alagoana,autoridades e os meios de comunicação sobre o fechamento da Escola municipal Dom Bosco no sitio lagoa da Abóbora município de igaci,onde aproximadamente 40 crianças e adolescente estão sendo obrigadas a se deslocarem da sua comunidade e do seio familiar para estudar na cidade por determinação do prefeito Antonio Barbosa , e do Secretario Municipal de Educação Aroldo Ferro que a comunidade estava organizada na AMIGREAL, No ultimo dia 07 de fevereiro de 2011 fechou a Escola e determinou E ainda proibiu que as famílias se reuni na escola publica a qual o terreno foi doado pela comunidade.. esta comunidade não e a única a receber represaria recentemente ao um ano atrás a comunidade de cajazeira onde temos 30 famílias organizada no grupo de base da amigreal.A Escola municipal Antonio Barbosa foi fechada e 200 metro seria implantado um lixão se amigreal não tivesse intervido

AMIGREAL é uma organização que luta por justiça social e comprometida com efetivação dos direitos humanos e vida digna para as famílias camponesas de Alagoas-Brasil, que apoiamos as lutas dos trabalhadores que lutam por soberania alimentar e pela reforma agrária.

Nossa organização chama-se Amigreal uma organização popular de camponeses e camponesas, mas estamos caminhando para ser um movimento social de luta em defesa dos direitos dos camponeses do Brasil. Amigreal foi fundada em 08 de janeiro de 2005 e surgiu da necessidade de organizar a classe trabalhadora para lutar contra a atual situação de opressão e coronelismo. AMIGREAL é composta por camponeses homens e Mulheres lutadores popular. A organização é através dos grupos de famílias/base. É coordenado por uma seqüência de instancias, chamadas coordenação de grupo de base, de municipal e estadual, os coletivos da Educação, capitação de recursos, produção , comercialização e comunicação. Atualmente estamos presente em 14 municípios do estado de Alagoas somos a proximadamente 1.000 famílias organizadas nas regiões do agreste sertão alagoano.

A Amigreal trabalha com as famílias e busca a sua participação ativa na luta pela defesa de seus direitos e pela construção de projeto popular para Alagoas e que se propõe produzir comidas saudáveis, abundantes e baratas para o auto-consumo e alimentação dos trabalhadores/as urbanos, resgatando a identidade e a cultura camponesa, com suas diversidades regionais. É um organização que, junto com outros setores da sociedade, está comprometido com a conquista de uma nação soberana, autônoma e justa.

Somos a soma da diversidade do nosso estado. Pertencemos á classe trabalhadora, lutamos pela causa social e pela transformação da sociedade.

Lutar sempre foi nossa condição desta forma, construímos nossa organização popular autônomas de moradores.Em nossa trajetória, temos reafirmado a luta popular pela igualdade de direitos e pelo fim de qualquer forma de violência, opressão e exploração praticada contra a classe trabalhadora

Por isso ao longo destes 6 anos de historia da amigreal,ocorreram varias tentativa de criminalização de nossas bandeiras de luta, como desde a luta pela água a ate luta pela Terra, por parte do prefeito de igaci e seus aliados( onde nasceu amigreal e atualmente fica secretaria da amigreal) esta perseguição vai desde do impedimento dos agricultores e agricultoras da amigreal em ter o acesso as políticas publica ofertada pela prefeitura município de Igaci ate pressão psicológica e ameaça contra as nossas lideranças desta vez foi o fechamento da Escola municipal Dom Bosco,

Estas tomadas de decisões por parte do poder publico local tem com objetivo mais vez uma criminalizar e cortar o que julgam ser o "mal pela raiz": a educação das crianças, polarizando as Escola onde existe povo organizado da AMIGREAL, uma vez que o povo organizado tem a plena convicção que precisa ter um olhar diferenciado para o campo pois este ao longo do tempo tem sido desvalorizado no que corresponde a garantia de direitos fundamentais que vise a perpetuação da vida, o conceito vida deve estar articulado a direitos garantidos com qualidade de acordo com a realidade local, por isso a luta da AMIGREAL, é em defesa da vida e pela garantia dos direitos sociais e humanos para os povos do campo. assim defendemos um educação do campo onde os educandos possa compartilhar a realidade da família na comunidade , como diz o Art.19. “Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado no seio da sua família e,excepcionalmente,em família substituta,assegurada a convivência familiar e comunitária.”

Parecer que todos desconhece as lei como a LDDEN 9394/1996, no Parecer CNE Nº. 36/2001, na Resolução CNE/CEB 1, DE 03 DE ABRIL DE 2002 - Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo, Parecer CNE/CEB Nº.. 1/2006, Parecer CNE/CEB Nº. 3/2008, Resolução CNE/CEB Nº. 2/2008, Lei Nº. 6.757/2006 Plano Estadual de Educação – AL 2006 a 2015 e mais recente Resolução CNE/CEB Nº. 4 de 13 de julho de 2010 – Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica

Diante da desresponsabilização do município de igaci para com a educação do campo, queremos demonstrar a nossa indignação e dizer que a Educação do campo faz parte das bandeiras de luta da amigreal e dos movimentos sociais em Alagoas, uma vez que 80% da população alagoana vivem no campo.

Portanto, cobramos a responsabilização do município de igaci para que a educação do campo, corresponda à construção de uma identidade camponesa uma vez que esta vem perdendo sua identidade diante das investidas neoliberais, que vem buscando retirar de cena as nossas conquistas e que ao longo da historia nos povos do campo construirmos, Ressaltamos ainda que a Escola municipal Dom Bosco é um espaço pedagógico conquistado pela comunidade do Sitio abóbora e único bem da comunidade pois a mesma é disassistida por toda políticas publica exclusive de saúde sendo assim merecemos respeito exigimos a reabertura da escola dom Bosco em lagoa da abóbora e da Escola Antonio Barbosa em cajazeira e efetivação das políticas de educação básica nas escolas no / do campo e fim da polarização das escolas do campo e fim da criminalização da amigreal.

“Educação do Campo “direito de todos dever do Estado”.

Atenciosamente

Coordenação estadual

Pedimos aos companheiros e companheiras que escreva para endereço abaixo apoiando no manifesto em defesa da educação do campo

Endereço para se comunica com as autoridades

Promotoria de Justiça de Igaci.

DESIGNADO: Rogério Paranhos Gonçalves

ENDEREÇO: Rua Juca Tenório, 74 - CEP 57620-000

BAIRRO: Centro

TELEFONE: 82 3423-1157

Procurador-Geral de Justiça

Eduardo Tavares Mendes
R. Dr. Pedro Jorge Melo e Silva, 79, Poço, 4.º andar, Maceió-AL
Fone: 82. 2122-3516
ascom@mp.al.gov.br
cerimonial@mp.al.gov.br


Conselho Estadual de Direitos Humanos de Alagoas
Rua Senador Mendonça, 153 Sala 126
Ed. Muniz Falcão (Sede do Antigo Fórum da Capital)
CEP: 57000-000 Centro Maceió AL Telefax: (82)221.7960 (Galdino) / (92) 9351-3707
E-mail:
ceddh.al@bol.com.br

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE ALAGOAS

Endereço Av. Fernandes Lima, S/N - CEAGB - Farol

Cidade Macéio-AL

CEP 57.055-000

Fone (082) 358-4090/358-4092

Fax (082) 358-4091

E-mail

lindizaycee.al@ig.com.br

CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE ALAGOAS
Pres. MARIA DAS GRAÇA BEZERRA
End.: Rua Zadir Índio , 220, Ed. Luz , centro
CEP: 57..020-480 – Maceió/AL
Tel (082) 3315-1739 / (82) 3336-2587 Cel. Pres. (82) 8833-9350
Fax : 082.221.3640-e-mail: mdgracinha@yahoo.com.br8