20 de dezembro de 2007

Transposição, Imposição, Indignação...

Historicamente grandes projetos, de interesses capitalistas são construídos em nome dos pobres, os mesmos sempre alheios.
Temos um grande projeto para levar água para 12 milhões de pessoas, um canal, cabe a nossa reflexão: sua função é levar água para quem?
É para o povo pobre ou criação de grandes projetos de irrigação, carcinocultura, plantação de cana de açúcar...
Na verdade é para atender aos latifúndios daquela região, que já estão comprando as terras dos pequenos produtores onde o canal vai passar.
Nas diversas construções das usinas hidrelétricas na região há um déficit com a população ribeirinha, que foi expulsa de suas terras, e até hoje a conquista de Itaparica (Reassentamento) não foi concluído, imagine a transposição.

O que está em questão não é negar água para quem tem sede, mas, existem alternativas de convivência com o semi-árido, o trabalho das nossas entidades aqui do Sub-Medio e do Baixo São Francisco são voltadas para o desenvolvimento sustentável, além do desrespeito com o povo ribeirinho, que conhece melhor que ninguém a devastação que há por aqui. Revitalizar é preciso, transpor não é a solução.

É a imposição como este projeto tem-se dado, não considerando as diversas mobilizações da população da região, do país e até do mundo, a voz do povo está sendo sufocada, dando lugar ao poder econômico. Onde está a democracia?O governo popular?Até quando será preciso usar o nome da população para intensificar a exclusão?

A ação de Dom Luiz Cappio, é uma ação de todos e todas nós, e o que estamos fazendo para apóiá-lo na greve de fome?Será preciso a morte de uma vida para denunciar tantas vidas mortas pelo sistema? Espero que não chegue a esse ponto. Acreditar que é preciso todas e todos juntemo-nos nessa corrente de solidariedade contra a violência que é o projeto de transposição e pela vida do rio, e de Frei Luiz Cappio.

Vânia Tatiane.

11 de dezembro de 2007

Encontro sobre a Cultura da Banana - Em Abaré (BA)

No dia 25 de outubro, deste ano, aconteceu no projeto Pedra Branca, no município de Abaré (BA), o primeiro dia sobre cultura da banana. E a Florimel teve participação efetiva no processo preparando um lanche só com receitas de banana. As receitas de bolos, tortas entre outras delícias.

Na ocasião estávamos expondo também o nosso artesanato de fibra da bananeira, que não poderia faltar. Foi um excelente evento que contou com a Codevasf (Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco), Chesf (Companhia Hidro Elétrica do São Francisco), a ATER (Assistência Técnica e Extensão Rural), EBDA (Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola S/A), Cooperativas e Associações.







Jerson Jose de Souza.


Jovem rural representante legal da florimel-associação de jovens do projeto pedra Branca - Abaré (BA)

Artesanato em Pedra Branca


Trabalho de artesanato feito pela Florimel, do projeto pedra branca em Curaçá (BA). Mostrando o empreendedorismo rural e os direitos da mulher sendo revistos.






Jerson Jose de Souza.


Jovem rural representante legal da florimel-associação de jovens do projeto pedra Branca - Abaré (BA)

9 de dezembro de 2007

Charles, Barra do Tarrachil e o final da Jornada Ecumênica da Juventude do Nordeste

A Jornada está sendo bastante produtiva... Boa metodologia aplicada. Os jovens estão bastante interessados, bastante animados e têm clareza que não vai ficar só nessa reunião, vai ter bastante repercussão nas nossas comunidades.

Gincana Cultural "Preconceito"

Durante o processo de planejamento para fazermos uma atividade cultural da segunda etapa do Curso de Formação de Agentes Culturais (o curso foi realizado em Petrolândia e Paulo Afonso, 1a. etapa, 27-29 julho 2007; 2a. 25-27 setembro 2007; 3a. 23-25 novembro 2007), os cursistas Maria Margarida da Conceicão, Laíse Fonseca de Souza e Wanderson Neves Pessoa, do Grupo No Limite, de Barra do Tarrachil criaram a atividade da Gincana Cultural.

Na preparação conseguiram realizar as atividades com bom desempenho, planejamentos das atividades para a Gincana e formamos a comissão de organização da gincana. Como todo projeto tem seus desafios o nosso também teve. Tínhamos marcado o evento para 28 de outubro, porém por outros compromissos teve que ser adiado. Remarcamos para o dia 10 de novembro de 2007. Ela aconteceu com grande sucesso, no Clube Recreativo Barra do Tarrachil.

Esse projeto foi feito "dois em um": uma palestra sobre preconceitos e a gincana com várias tarefas. três dias antes tivemos que reorganizar tudo. Não havia equipes suficientes para participar de todas as atividades planejadas, e nem por isso desistimos. Reorganizamos as atividades e as fizemos totalmente diferentes. Para a palestra foram convidados cinco palestrantes, mas pelo fato de não poderem comparecer todos, no dia foram apenas dois dos palestrantes: Profa. Raliete Maria Gomes Fonseca de Souza e o Presidente do STTR de Chorrochó Gilberto Gomes Ramos (Tiba).

Os preconceitos abordados foram aquele contra pessoas especiais; racial e contra o agricultor. Esses preconceitos mostraram a realidade da nossa comunidade. Muitos acham bonito o preconceito, não sabendo que quem é o alvo do preconceito não se sente bem, em relacão ao meio em que se encontra.

No dia da realização encontramos uma barreira, o cara do clube disse que não tínhamos autorização para realizar as atividades. Como estávamos com o ofício em mãos, mostramos a ele - e aí, ele teve que ceder o clube. Fizemos as nossas atividades da Gincana: músicas sobre preconceito com o agricultor; peças teatrais; etc. Numa das peças teatrais um homem se colocou no lugar de um homossexual, para saber como se sente uma pessoa discriminada pelo sexo. Houve também a participaçào de um Grupo de Jovens de "São José"(povoado do município de Chorrochó, onde mora Jéssica, que é do Coletivo de Jovens do Pólo).

Esse evento contou com o apoio do Grupo Jovem No Limite, de Barra do Tarrachil, que lutou juntamente com os cursista para o projeto ser realizado com êxito; também esteve presente em todas as reuniões de preparação do evento o Coletivo de Jovens de Barra do Tarrachil. Participaram da Gincana Cultural 40 jovens. Os jurados das atividades foram: Raniere, que foi monitor do Curso de Formaçào de Agentes Culturais; Síntia, Secretária de Mulheres e Jovens do Pólo Sindical das Trabalhadoras e Trabalhadores Rurais do Submédio São Francisco e Hilda, representando outros ex-cursistas.

Wandeson Neves Pessoa e Aurélio Charles Chagas Pessoa

7 de dezembro de 2007

Jovens Rurais na Praia de Itapoã, Salvador, 7/12/2007

video

Damião Silva, Janúbia Santos e Damião Matos.


Mais um

O que achei mais interessante na viagem foi o empolgamento das pessoas, dos jovens, estava tudo querendo brigar para vir, o pessoal de lá, de Ouro Branco (AL). A viagem foi longa e cansativa. Espero que aquilo que venha a aprender recupere a viagem... Damião Matos, 25 anos, agricultor e é secretário geral do STR-Ouro Branco e o representante dos jovens, sim sinhô, só isso mesmo...

Mais uma jovem rural que está em Salvador

Estou muito salgada... Ganhei um presente, uma lenda... uma topada numa pedrinha que quase fiquei sem a minha unhinha... Cheguei muito exausta, foi muito cansativo mesmo... Foi muito divertido. Foi divertido devido as pessoas se conhecerem, a maioria, tem o pé no saco do Alex e do Jocivaldo que não deixa ninguém dormir... Deixe quieto, acabou... ai! Janúbia Santos, 20 anos - Belém do São Francisco, PE.

Chegando para a Jornada Ecumênica de Juventude do Nordeste

A vinda para a Jornada Ecumênica da Juventudede do Nordeste, Salvador 7-9 de dezembro - A vinda nào foi muito boa, por ser cansativa demais, longe... Saí de Ouro Branco 1 hora da tarde, do dia 6 de dezembro. Cheguei em Delmiro 2 e pouquinho. Demoramos até pegar o ônibus, pegamos o Real de 6 e 10 (ou 6 e 15) e fomos para Paulo Afonso. Chegamos em Paulo Afonso 7 e alguma coisa, encontramos com a galera que estava esperando a gente, o pessoal de Pernambuco, pessoal da Síntia. Era umas 7 e meia. A gente saiu de lá 9 e meia (da noite), eles nos encontraram lá no posto de gasolina em Paulo Afonso. Chegamos em Salvador 7 e 40 (da manhã), e no local do encontro já era 8 e meia (da manhã). A gente se perdeu, a gente deu uma volta na beira da praia. Minha expectativa é pegar mais conhecimento da parte pra o jovem ficar mais inserido no meio rural, o jovem sempre mais (isso é pouco)... Damião da Silva, 24 anos.

3 de dezembro de 2007

Breve notícias de encontros de jovens rurais

Até amanhã postaremos notícias de alguns encontros de jovens rurais, que também são contribuições como Conferências Livres para a CNPPJ (que será em abril 2008). Fique de olho!